“O começo de todas as ciências é o espanto de as coisas serem o que são.”
(Aristóteles)

Depois apresetentar alguns caminhos para encontrar ajuda. Agora vamos ver alguns elementos da linguagem R, se você já conhece alguma outra linguagem (mesmo que pouco) não vai ter grandes dificuldade essa liguagem de programação estatística. Entre os elementos da liguagem que será abordado aqui está como determinar que parte do código não seja executado, como funciona as funções, como instalar novas funcionalidade e como abrir a pacotes de funcionalidades.

 1) escrevendo comentários no script, que são partes do código que o programa não vai interpretar como um comando/função para ele executar.

Os comentários no inicia com o símbolo #, como vemos no exemplo abaixo. Comentar o código é muito importante tanto para você quando quizer voltar em um código depois de algum tempo quanto para o aprendizado do código e da liguagem por outros usuários, por exemplo, se você está aprendendo R para uso acadêmico em algum momento você vai ter que disponibilizar o código pelo menos para os pares. E comentar o código deixa ele mais inteligível e replicável.

# Toda linha é o comentário, não precisar colocar nada para terminar o comentário basta escrever o comando executavel em outra linha
help(summary) #Pode também começar o comentário depois do comando desejado

2) Uma função no R sempre começa com nome seguido de parentes onde é colocar os parâmetros/argumentos da função deseja.

Algumas funções tem mais de um parâmetro. Sendo que alguns desses já são predefinidos e só precisamos inserir ele caso não queira execusão padrão, como o exemplo abaixo. Os principais parametros dessa funcão média é mean(x, na.rm=FALSE), x é o vetor que será calculado a média, e na.rm é para remover os valores NA (ausentes),  ou seja, por padrão ela não funciona se tiver no vetor algum valor ausente.

mean(x) #A função média retorna a média de um vetor, se nele não contiver NA
mean(x, na.rm=TRUE) #Retorna a média do vetor excluindo do calculo o elemento/linha que contem o NA

Então para aplicar uma função presicamos saber primeiro como escreve o nome dela (lenbrando o é sensitive case) e quais paramentros cabe nela.

3) O R além de um software estastístico virou uma grande plataforma de desenvolvimento, ou seja, além da funcionalidades básica posso desenvolver e implementar novas funcionalidades com integração ou não com outras linguagens como python e java.

Novas funcionalidades no R é frequentemente incorporada por meio de pacotes (packages) que podem ser oficial ou não oficial. No primeiro caso já foi incorporado ao CRAN do R, no segundo é distribuido por outros meior como GitHub.

install.packages("data.table") #é um pacote já no CRAN, serve para manipular banco de dados
install_github("silvadenisson/theme_cpp") #é um pacote não oficial que tem um tema (em desenvolvimento) para o ggplot2, 
#a função usada para instalar pacotes do GitHub é do pacote devtools

 4) Instalar pacotes de funcionalidade no R não siginifica que toda vez que você abrir o programa os pacotes vão está pronto para uso. O não abre automaticamente todas funções instaladas, porque a idéia é só usar o que for necessário na atividade que você está desenvolvendo. Então cada vez que você abre o R é nessário chamar as funções que não é do R base que vai precisar.

library(data.table) #Abre o pacotes de funcionalidade data.table.
library(devtools) #Abre o pacote devtools

obs: A função library pode ser substituída pela função require. No entanto, a caso em que o require não avisa que há um erro no pacote (biblioteca), enquanto a função library avisará que há um erro, se for caso.

5)Arquivos .R são arquivos de scripts, arquivos .RDA são arquivos com objetos do que podem ser uma base de dados, por exemplo.